Nasceu no Porto, a 30-12-1918, e faleceu em Lisboa, a 11-05-2000. Filha de Belmira Cardoso Pinheiro e de António dos Santos Moura, ambos professores primários. Depois de frequentar a Escola Primária com os pais, ingressou no Liceu Carolina Michaelis, no Porto, que naquela altura apenas admitia meninas. No final do curso, recebeu o prémio anualmente atribuído aos melhores alunos. Ao mesmo tempo frequentava o Conservatório de Música que, por sua vez, aceitava meninos e meninas, vindo a completar os cursos de Canto, Piano e Composição com elevadas classificações. Ao terminar o liceu, inscreveu-se na Universidade do Porto, onde fez os primeiros três anos de Matemática. Transferiu-se, depois, para a Universidade de Coimbra, onde concluiu as licenciaturas em Matemática e Engenharia Geográfica. Entretanto, formou-se também em Ciências Pedagógicas.

Aos 22 anos de idade, após a conclusão do Curso de Música, obteve uma bolsa de estudo para prosseguir a carreira musical como cantora em Itália. Todavia, as guerras que alastravam na Europa impediram-na de concretizar esse sonho.

O início da sua vida profissional foi muito dificultado. Viu a admissão ser-lhe recusada em várias instituições, alegando os motivos mais diversos, desde o facto de possuir habilitações a mais, ou simplesmente por não serem admitidas mulheres. Após várias diligências, consegiu um lugar para dar aulas de Matemática no Colégio de Nossa Senhora de Lurdes, no Porto.

Tornou-se membro do Sindicato dos Engenheiros Geógrafos e, posteriormente, foi contactada para chefiar uma equipa na Empresa Nacional de Estudos Técnicos, com sede em Lisboa, que se
ocupava do levantamento topográfico das vilas e cidades portuguesas. Os quadros dessa empresa eram constituídos só por homens, e incluía aviadores que fotografavam os locais e desenhadores especializados que, com base nos dados recolhidos, faziam a concepção dos mapas. Devido à guerra a empresa fechou, pelo que Ilda Moura (que vivia no Colégio das Doroteias em Lisboa) passou a viver só de algumas explicações que dava no seu alojamento.

Deslocou-se à Direcção Geral da Aeronáutica Civil onde lhe foi permitido frequentar um estágio dirigido a Meteorologistas a decorrer na Faculdade de Ciências de Lisboa. Assim iniciou a carreira profissional como Meteorologista, tendo permanecido como primeira e única Meteorologista em Portugal durante 17 anos. Em 1946, ao ser criado o Serviço Metereológico Nacional, foi transferida para a cidade do Porto, com a finalidade de organizar a Estação Metereológica de Pedras Rubras, na qual se manteve até 1951.

De novo em Lisboa, continuou o seu percurso profissional, tendo assumido a partir de Janeiro de 1983 o cargo de Chefe de Divisão de Meteorologia Marítima no Instituto de Meteorologia e Geofísica. Aposentou-se em 1997, quando tinha 70 anos de idade.

Ilda Moura integrava o Grupo Coral “O Tempo Canta”, do Instituto, para cuja fundação, em Maio de 1986, dera um importante contributo. Ilda Moura é autora das seguintes obras: "Estudo das Probabilidades de Poluição do Estuário do Sado pelos esgotos da Fábrica da Socel" (2 volumes, 1961); "O Clima em Portugal – Características do Clima da Costa de Portugal de Interesse para a
Navegação Marítima" (co-autoria), Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica, Lisboa, 1988.

 

 

ORGANIZAÇÃO

 

COM O APOIO

 

 

INFORMAÇÕES E CONTACTOS

Tel.: 226 091 414
Tlm.: 913 215 349
E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.